Como Tratar Síndrome do Pânico

Quando uma pessoa admite que está com algum problema e que é a hora de procurar ajuda médica, e no caso do profissional da saúde diagnosticar que o paciente sofre do transtorno do pânico, a primeira cosia que ela vai querer saber é como tratar Síndrome do Pânico. Existem diferentes linhas de tratamento para esse distúrbio. Alguns profissionais admitem a necessidade de remédios, ao menos, no início, para que novos ataques de pânico não prejudiquem o processo de melhora. Porém, que aliado a isso é imprescindível a terapia para que a pessoa possa se curar.

Outros profissionais, no entanto, afirmam que as terapias são apenas tratamentos secundários, sendo os fármacos a melhor forma do quadro do paciente se mostrar mais favorável. Já uma terceira linha acredita que apenas a terapia é o suficiente para a pessoa resgatar o seu controle e que para tanto não é necessário fazer um tratamento com remédios. Apesar de algumas divergências em se tratando de como tratar Síndrome do Pânico, o mais importante é que quando você escolher um profissional para começar o tratamento, ele deve ser de sua confiança, indicado por pessoas que você conheça, ou que, ao menos, você se sinta confortável em sua presença.

A sua sintonia com a do profissional que for atendê-lo é importante para que você tenha mais confiança no tratamento que ele for utilizar. Nem sempre se tem acesso a médicos que sejam indicados por outras pessoas. Se você não conseguir encontrar um profissional assim, e tiver que recorrer à lista de profissionais que o seu plano de saúde oferece, por exemplo, procure de informar se o médico em questão já trata outros pacientes com o mesmo distúrbio, se essa é a sua especialidade, etc.

Tratamentos medicamentosos para Síndrome do Pânico

Os profissionais que defendem o uso de remédios para tratar os pacientes com o transtorno do pânico costumam receitar antidepressivos, desde que utilizado nas doses indicadas para reduzir o risco de dependência. Os médicos afirmam que o seu uso é imprescindível, ao menos, no início do tratamento, pois eles vão evitar que novas crises ocorram. Assim, o caminho estará livre para o processo do tratamento, inclusive, para quem fizer terapia em conjunto ao fármaco.

Terapia para o Transtorno do Pânico

Existem diferentes métodos de terapia para curar os ataques de pânico. Uma delas consiste em uma série de etapas, sendo que a primeira é a chamada reestruturação cognitiva, nela, o paciente deve derrubar as crenças irracionais e pensamentos disfuncionais típicos do distúrbio. Ou seja, mesmo com os sintomas que deveriam apenas ocorrer em uma situação de perigo, a pessoa deve tomar consciência de que o medo que está sentindo não é real.

O segundo momento é a exposição interoceptiva, quando o paciente deve quebrar a relação entre os sintomas corporais e as reações do transtorno. Para tanto, a pessoa é provocada a sentir as sensações que se assemelham a de uma crise, com exercícios cardiovasculares, hiperventilação, entre outros. Dessa forma, ela se dessensibiliza perante os sinais de uma crise. No próximo momento, o paciente passa por um “retreinamento” da respiração, que deve ser feita com o diafragma, essa forma de respirar é a ideal para encontrar o equilíbrio.

Na sequência, o paciente passa pelo relaxamento do corpo e da mente e, por fim, é o momento de o paciente passar pela fase da prevenção de recaída. Essa etapa é imprescindível para que o tratamento garanta que o paciente não vai sofrer novos ataques. Para tanto, se faz o uso das técnicas cognitivas e comportamentais, que vão permitir a manutenção dos resultados da terapia.

 

5 Comentários

  1. roberta fevereiro 12, 2014
  2. Sandra Coelho fevereiro 12, 2014
  3. Sérgio Reis Rodrigue abril 12, 2014
  4. rosana novembro 5, 2014
  5. rosana novembro 5, 2014

Deixar um Comentário