CID Síndrome do pânico

cid sindrome panico

Se você apresentar os sintomas causados pelo transtorno do pânico, segundo a OMS – Organização da Saúde, você é um portador da CID Síndrome do pânico. A sigla CID quer dizer Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde, a qual é responsável por fornecedor os códigos que classificam as doenças, bem como aspectos anormais, sintomas e circunstâncias sociais.

Em geral, as doenças e sintomas são agrupados conforme as suas semelhanças. A CID Síndrome do pânico pertence ao grupo dos Transtornos Fóbicos-Ansiosos. Além desse distúrbio, estão uma série de outros distúrbios, como agorafobia, fobias sociais, fobias específicas, outros transtornos fóbico-ansiosos, transtorno fóbico-ansioso não especificado, outros transtornos ansiosos, ansiedade generalizada, transtorno misto ansioso e depressivo, outros transtornos ansiosos mistos, outros transtornos ansiosos especificados e transtorno ansioso não especificado.

Integram, ainda, a lista: transtornos obsessivo-compulsivo, com predominância de ideias ou de ruminações obsessivas e comportamentos compulsivos; forma mista, com ideias obsessivas e comportamentos compulsivos; outros transtornos obsessivo-compulsivos e o transtorno obsessivo-compulsivo não especificado. Cada um desses itens recebe uma numeração, que acompanha a letra F, essa, por sua vez, se refere a Transtornos Mentais e Comportamentais.

Todas essas siglas servem para padronizar por meio de códigosos problemas relacionados à saúde. A CID é periodicamente revista, sendo que em 2006 ocorreu a última atualização, a qual faz parte da CID 10, que é a edição mais recente. Porém, a CID-10, como se conhece, foi desenvolvida no ano de 1992, com o intuito de registar as estatísticas de mortalidade.

Nessa categorização, o Transtorno do Pânico, também conhecido clinicamente como uma ansiedade paroxística episódica,recebe a classificação F 41.0. Esse distúrbio e os demais do grupo se classificam como “ataques recorrentes de ansiedade grave (pânico), os quais não estão restritos a qualquer situação ou conjunto de circunstâncias em particular e que são, portanto imprevisíveis”, segundo a OMS.

O que são os Transtornos Fóbicos-Ansiosos

Para a Organização Mundial da Saúde – OMS, transtorno de pânico pertence ao grupo dos Transtornos Fóbicos-Ansiosos, de acordo com a Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde – CID.10. Nesse aglomerado, estão as doenças ou sintomas em que se desencadeia uma ansiedade causada por circunstâncias que não apresentam nenhum perigo real. Mesmo assim, a pessoa evita essa situação ou suporta com temor.

Além disso, durante uma crise, se você tem um transtorno fóbico-ansioso, é comum que se preocupa ou com os seus sintomas individuais, como taquicardia, suor, tremor, ou com a sensação que vai desmaiar, morrer ou perder o controle. O quadro apresenta ainda uma ansiedade antecipatória, sendo que o paciente adianta os sintomas frente a simples evocação de uma situação fóbica.

É comum os profissionais de saúde relacionarem a ansiedade fóbica que ocorre com frequência a um quadro de depressão. Para seguir além e descobrir se o paciente possui ansiedade fóbica e episódio depressivo, ou apenas uma das duas situações, é necessáriolevar em consideração uma série de fatores, como a ordem de ocorrência dos transtornos. Desta forma, será possível ao médico escolher qual o melhor tratamento para o paciente.

Características da Síndrome do Pânico de acordo com a OMS

Já o transtorno do pânico em si, quando diagnosticado, acontece porque o médico viu em seu comportamento uma característica essencial que identifica esse distúrbio: ataques recorrentes de uma ansiedade grave, os quais são chamados de ataques de pânico, que ocorrem de maneira imprevisível. Ou seja, essas crises não acontecem exclusivamente numa situação nem tampouco em circunstâncias determinadas.Os demais sintomas da CID Síndrome do pânico se assemelham em muito aos demais transtornos ansiosos.

Entre eles, destacam-se as tonturas, sensações de asfixia e sentimentos de irrealidade (como se você sentisse que está fora do seu corpo ou que a situação vivida não parece integrar a realidade). Outros sintomas são mais físicos, como o início de uma brutal de palpitação e dores torácicas. Os medos secundários são considerados os de ficar louco, perder o controle, ou mesmo, morrer.

No entanto, se você sofrer de um transtorno depressivo e tiver um ataque de pânico, é bem provável que os profissionais da saúde não o diagnostiquem como portador de transtorno, uma vez que as crises de pânico são secundárias. Neste caso, o quadro depressivo é o principal e será tratado com prioridade.

Fobias relacionadas à Síndrome do Pânico

É importante você iniciar um tratamento assim que for diagnosticada a presença do transtorno de pânico em sua vida. Caso contrário, as crises de pânico podem se tornarem frequentes e será um tratamento ainda mais complicado de se resolver, pois pode virar uma bola de neve. Exemplo disso é a agorafobia, uma fobia que pode se associar aos quadros de distúrbio do pânico.

A agorafobia integra um conjunto de situações bem definidas em que pode ser desencadeada. Algumas delas é o medo de sair de sua residência, de entrar emlojas, de multidões ou de locais públicos, bem como medo de viajar sozinho, seja de avião, de trem ou de ônibus.Assim, você evita ao máximo passar por uma dessas situações, ou mesmo, se não puder evitar, vive essa experiência com temor.

O contrário também é possível, você sofrer ou já ter passado por um quadro de agorafobia e desenvolver o transtorno de pânico. Somam-se a esse quadro, outros problemas, como os sintomas da depressão e de comportamentos obsessivos, além das fobias sociais. Essa é bola de neve da qual foi falada, quando um problema que até então estava isolado, começa a se combinar com outros sintomas.

 

Deixe seu comentário!